Novas tendências de consumo incentivam o crescimento das “compras coletivas”

O mercado brasileiro de compras coletivas no comércio eletrônico vem aumentando gradativamente. O modelo que utiliza o poder viral da Internet, principalmente das redes sociais, para juntar pessoas com interesse nos mesmos produtos e serviços, faturou em junho de 2010 R$ 1 milhão, avançando, em setembro, para a marca de R$ 10 milhões. Os sites que desenvolvem esse tipo de comércio têm como princípio de negócio fazer parceria com empresas de determinada cidade e disponibilizarem mega-promoções.

Com um mercado que teve início em março deste ano, por meio do portal Peixe Urbano, a previsão é que os sites de compras coletivas atinjam oito milhões de usuários até o final de 2010, e fature entre R$ 150 milhões e R$ 200 milhões em 2011. Nos Estados Unidos o comércio de compras coletivas movimentou em 2009 US$ 250 milhões.

O objetivo desse tipo de ação é fazer com que o cliente olhe a oferta e pense nela como algo imperdível, usufrua do serviço com desconto e se torne fã e fiel à marca do parceiro. A presença em sites de vendas coletivas é um tipo de marketing eficiente visto que o retorno é garantido e não demanda nenhum investimento inicial do parceiro. Enquanto o site se propõe a divulgar a oferta e assim a marca da empresa sem qualquer custo, quando as vendas e os pacotes são concretizados, o site recebe uma porcentagem do total vendido, que geralmente fica em torno de 40%. Para o consumidor adquirir os serviços oferecidos, em geral, basta se cadastrar no site e acompanhar as ofertas.

O nome compra coletiva vem do fato de as ofertas serem finalizadas apenas se o anunciante conseguir concretizar a venda de uma quantidade mínima do que foi ofertado. As ofertas ficam disponíveis entre 24 horas e 72 horas e podem ser adquiridas por meio de cartão de débito ou crédito. O comprador recebe um cupom, por e-mail, e apresenta na loja que fez a oferta durante o período preestabelecido. Dessa forma, o lucro da empresa é garantido, mesmo com os descontos atingindo mais de 70% do valor.

Atualmente são mais de 20 sites que desenvolvem esse trabalho, como ClickOn, Clube Urbano, Oferta X e Deu Samba, além do Peixe Urbano que hoje tem mais de um milhão de usuários cadastrados.

O aumento na segurança do ambiente da Web para compra e venda, além do crescimento de usuários nas redes sociais ajudou o desenvolvimento desses serviços que tiveram a primeira tentativa de implantação em 2000. Hoje a realidade de consumo mudou justamente com a disseminação da Internet e suas ferramentas sociais, incentivando ainda mais esse mercado.