B2B e B2C nas redes sociais

Mito ou verdade? Manga com leite faz mal mesmo? Elvis realmente não morreu? Bom, esses são alguns dos mitos mais famosos da humanidade e existem a dezenas de anos. As mudanças tecnológicas pelas quais estamos constantemente passando também trazem seus mitos, que são carregados e reforçados pela falta de conhecimento sobre determinado assunto, ou sobre a força de uma experiência mal sucedida, como provavelmente aconteceu com alguém que comeu manga com leite (junto com um prato de feijoada e litros de cerveja) e não se deu muito bem com aquilo. E então, empresas B2B realmente não precisam atuar nas redes sociais?

Nós não somos os Caçadores de Mitos, mas não podemos mais deixar essa questão passar sem dar uma posição sobre o quanto as redes sociais são importantes para as empresas que trabalham, ou vendem, para outras empresas. Pare e pense, o Brasil é um dos países com maior número de usuários de redes sociais do mundo, e provavelmente o funcionário ou diretor da empresa para a qual a B2B vende está nessas redes, dessa forma, manter um relacionamento efetivo com ele é tão fundamental como para uma empresa que vende diretamente para o consumidor final, as B2C.


Sobre as estratégias a serem usadas, as aplicações variam entre B2B e B2C, mas nada que vá além das mudanças necessárias entre empresas do mesmo ramo. É preciso uma analise do público, do foco da empresa e o que ela quer passar, entretanto, usar as mesmas plataformas como Facebook, Orkut e Twitter é sim possível e necessário, afinal é ali que o cliente está e é aquele espaço que devemos atingir.

Para colocar um ponto final nesse mito bobo, os principais pontos de ordem quando o assunto é rede social são: conteúdo, humanização, escuta e auxilio no processo de decisão. Dessa forma, fica claro entender porque empresas B2B e empresas B2C são igualmente importantes nas redes sociais.